terça-feira, 18 de setembro de 2018

Ciro Gomes promete veto à venda da Embraer e diz que Lula sabia de esquema na Petrobras

Candidato do PDT abriu série de entrevistas do Jornal da Globo. Para ele, Lula não sabia do mensalão do PT, mas sabia que 'pessoas estavam procurando as indicações para roubar' na estatal.
G1 - O candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes, afirmou na noite desta segunda-feira (17) em entrevista ao Jornal da Globo que é contra a venda da Embraer à Boeing e que, se for eleito, revogará o negócio. O presidenciável também afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não sabia do mensalão do PT, mas sabia do esquema de corrupção na Petrobras investigado pela Operação Lava Jato.

Ele também falou sobre a proposta para refinanciar as dívidas de 63 milhões de brasileiros, que prevê o chamado “aval solidário” quando uma pessoa não puder quitar sua dívida (leia mais abaixo sobre a proposta).

Ciro abriu a série de entrevistas que a apresentadora Renata Lo Prete fará nesta semana com os candidatos à Presidência mais bem colocados na última pesquisa Datafolha, divulgada na última sexta-feira (14). Também haverá entrevistas com Geraldo Alckmin (PSDB), Fernando Haddad (PT) e Marina Silva (Rede). O candidato do PSL, Jair Bolsonaro, permanece internado se recuperando do atentado que sofreu no dia 6 de setembro e não será entrevistado neste momento.

Logo no início da entrevista, o candidato do PDT se disse contra a venda da Embraer à Boeing ou a qualquer outra empresa estrangeira. Para Ciro, a fabricante de aeronaves é "estratégica" para o Brasil e, por isso, deve continuar nacional.

Ele, porém, explicou que, se for eleito, não trabalhará para estatizar a Embraer e se disse favorável a mantê-la privatizada. Ciro disse ainda que, se for eleito, desfará o negócio envolvendo a Embraer e a Boeing.

"Quando a Embraer foi privatizada, o governo federal ficou com uma golden share, que é uma ação especial, que dá ao governo o poder de vetar determinadas decisões estratégicas. E aquilo é uma questão absolutamente sensível sob o ponto de vista da defesa, da segurança nacional, da engenharia brasileira. É um de dois lugares onde o Brasil ainda tem alguma potencialidade tecnológica: petróleo e a Embraer. Dois produtos extraordinários foram desenvolvidos e na hora de renderem bilhões para o Brasil e nós estamos permitindo, se isso se consumar eu vou desfazer, que a Boeing feche a Embraer", disse o candidato.

Nenhum comentário:

Postar um comentário