quarta-feira, 17 de março de 2021

Mulher perde pai e avô para a Covid-19 em menos de 24 horas em Natal

Genro e sogro estavam internados na UPA de Cidade Satélite, na Zona Sul. Unidade operou com 240% da capacidade nesta terça-feira (16).
Por Anna Alyne Cunha, Inter TV Cabugi
A babá Laisla Coutinho viveu um dos momentos mais tristes da vida nesta terça-feira (16) em frente à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Cidade Satélite, na Zona Sul de Natal. O pai e o avô dela, que estavam internados na mesma sala da unidade, morreram em um intervalo menor que 24 horas. Foi lá que ela recebeu a notícia da partida dos entes.

O pai dela, o comerciante Luisvaldo Bezerra, de 49 anos, estava internado na UPA Satélite ao lado do sogro e entrou na lista de espera por um leito de UTI para tratamento da Covid-19 na quinta-feira passada (11).

Nesta terça-feira (16) a fila no estado, segundo o Regula RN, plataforma que monitora as internações, tinha 122 pacientes no aguardo para 12 leitos críticos disponíveis.

Laisla contou que o pai acordou consciente na segunda-feira (15), mas que estava em uma sala em que viu pacientes morrerem e serem intubados na frente dele, o que o assustou. Ao voltar nesta terça-feira (16) à UPA para atualização do quadro, ela recebeu a notícia da morte do pai.
Upa Cidade Satélite, em Natal — Foto: Anna Alyne Cunha / Intertv Cabugi
"Ligaram às 8h pra gente vir, dizendo que era pra falar do quadro clínico dele. Quando a gente chegou aqui, disseram que meu pai faleceu", disse a babá em entrevista à Inter TV Cabugi. A morte aconteceu na noite de segunda.

Sabendo que o avô materno, que era sogro do pai dela, estava na mesma sala, ela temeu pelo pior. "Se meu avô viu isso (a morte dele), ele também vai morrer".

O avô de Laisla, Clenide Cigósteno dos Santos, de 77 anos, chegou a ser intubado na manhã desta terça-feira, mas também não resistiu e morreu no início da tarde na UPA Satélite com a doença.

Superlotação na UPA

A UPA de Cidade Satélite, na Zona Sul de Natal, atuou entre esta segunda (16) e terça-feira (17) com 240% da capacidade, segundo a Secretaria Municipal de Saúde. Somente na unidade, nesta terça, 11 pacientes aguardavam por leitos de UTI.

Uma idosa de 82 anos que precisou ser atendida na unidade chegou a ficar mais de 10 horas dentro de uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) à espera. A paciente foi socorrida pelo Samu por volta da meia noite da terça-feira (16) e ficou dentro do veículo com suporte de oxigênio até 10h35.