terça-feira, 30 de novembro de 2021

Juiz determina prisão de ex- ministro Henrique Alves

O juiz Marco Aurélio Paioletti Martins Costa, da 2ª Vara de Família de Natal (RN), expediu mandado de prisão contra o ex-ministro Henrique Alves, por falta de pagamento de pensão alimentícia. A dívida ultrapassa R$ 938 mil.

O processo começou ainda em 2017, quando Priscila Gimenez, sua ex-mulher, ingressou na Justiça para receber a pensão, que estava atrasada havia três meses. Na ocasião, Henrique Alves estava preso por causa das investigações envolvendo desvios de recursos na construção da Arena das Dunas.

No ano seguinte, ele passou a responder em liberdade, mas não regulou a dívida, que acumulou desde então.

Sonhando voltar à política em 2022, Henrique Alves segue ativo no Twitter. Ontem, parabenizou Baleia Rossi, presidente do MDB, e comemorou a pré-candidatura de Simone Tebet à Presidência. “MDB firme”, escreveu.

O ex-deputado será recolhido em cela separada dos demais detentos. Ironicamente, o benefício foi aprovado pela Câmara em 2014, quando o emedebista presidia a Casa.

Em nota intitulada “Nota de um pai com imagem pública, o ex-ministro afirmou que não tem como pagar uma pensão alimentícia de quase R$ 50 mil reais por mês.

Leia a íntegra da nota:

NOTA DE UM PAI COM IMAGEM PÚBLICA

Não foi hoje que recebi a informação sobre mandado de prisão judicial proferido em ação por pretensa falta de pagamento de pensão alimentícia de meu filho caçula, Pedro Henrique Alves, de 20 anos.

Faz seis dias e até agora não recebi qualquer intimação. Estou tranquilo e com a consciência em paz, acreditando que a Justiça de Deus e dos homens será feita.

Esse despautério promovido por Pedro Henrique e sua mãe de quem me divorciei – de forma consensual – há mais de 11 anos, deixando mais de 50% de meu patrimônio na época, não pode prosperar, pelo simples fato de que não tenho como pagar uma pensão alimentícia de quase R$ 50 mil reais por mês.

É totalmente fora da minha realidade e da necessidade de um rapaz de sua idade. Quem conhece minha vida privada, que também sempre foi pública, sabe que nunca deixei faltar NADA a meus três filhos. Afeto, atenção e amor, principalmente.

Dos dois mais velhos sempre tive a solidariedade e compreensão. Hoje, lamento a postura de Pedro Henrique. Mas a seu desatino entrego também, à Justiça Divina.

A dos Homens, aguardo, o julgamento do recurso que já encaminhei através de meu advogado e, certamente, a justiça será feita.

Ao povo do Rio Grande do Norte – que me conhece como político e pai – meu agradecimento por tantas mensagens que já recebi com palavras carinhosas de poio e conforto nesta hora de dor. Muito Obrigado! A luta continua sempre!
O Antagonista