segunda-feira, 7 de fevereiro de 2022

Hospital de SP diz que 85% dos mortos por Covid nos últimos 3 meses não estava com a vacinação completa

Segundo levantamento do Hospital Emílio Ribas, a cada cinco internados, quatro não tomaram vacina ou estão com doses atrasadas. Ao Fantástico, mulher que ficou em estado grave na UTI, conseguiu sobreviver e agora está com a vacina em dia, aconselha: 'Tem que tomar vacina'.
Por Fantástico
Especialistas dizem: o Brasil vive hoje a pandemia dos não vacinados. São eles que enchem as UTIs de Covid em grande parte do pais.

Esta semana, a Fiocruz levantou o sinal de alerta mais uma vez. Os pesquisadores, que monitoram as vagas de UTI em todo o país, destacam que, por causa da ômicron, a situação começou a mudar muito rápido em novembro, após setembro do ano passado ter sido o primeiro mês, desde o começo da pandemia, em que todos os estados tinham menos de 60% dos leitos ocupados.

A rede Dor, responsável por mais de 60 hospitais em 12 estados, registrava, no fim de dezembro do ano passado, 200 pacientes internados com Covid. Agora, são cerca de 1.400.

“Em sua maioria são pessoas que estão com ciclos vacinais incompletos, principalmente as mais graves e que têm comorbidades, incluindo a idade mais avançada. É muito frequente as pessoas se envergonharem de contar que não estão vacinados. Bate o arrependimento e junto bate a vergonha”, conta Leandro Reis, vice-presidente médico da rede.

Em São Paulo, no Hospital Emílio Ribas, da rede pública, 100% dos leitos destinados à Covid estão ocupados. A cada cinco internados, quatro não tomaram vacina ou estão com doses atrasadas. Um levantamento exclusivo mostrou que, nos últimos três meses, 85% dos pacientes que morreram no local não tinha vacinação completa.

A publicitária Vitória Monteiro viveu esse pesadelo com a mãe, Marília, no ano passado. A aposentada não quis se vacinar e ficou três meses internada na UTI – 21 dias intubada – por causa do coronavírus. Agora, ela já está em dia com as suas doses.

“Eu digo para as pessoas que ainda não tiveram essa consciência para repensar. Esse vírus não é brincadeira, ele é traiçoeiro. Tem que tomar vacina. Aproveite essa chance que a gente está tendo, da vacina, e tome a primeira, a segunda, todas as doses necessárias para ficarem protegidos”, aconselha.

A artesã Liliane França e as filhas não tiveram a mesma sorte de Vitória. Gerson, de Duque de Caxias, no estado no rio, não tinha tomado a vacina, e morreu de Covid após ser diagnosticado no dia 7 de setembro do ano passado.

“Ele era muito forte, era saudável, novo. Acho que até ele mesmo não acreditava que pudesse ir à óbito, né? Ele já mostrava arrependimento por não ter tomado a vacina. Ele até tinha falado: quando eu me recuperar da Covid e você for tomar a segunda dose, eu vou junto com você para tomar a vacina. Não deu tempo”, emociona-se Liliane.