quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Vereadores de Caicó pedem proteção à PGJ após denúncias contra Batata

Na manhã desta quarta-feira, 15, a Procuradoria-Geral de Justiça recebeu três vereadores de Caicó, que buscaram o órgão para pedir proteção pessoal. Zaqueu Fernandes Gomes (PHS), Rosângela Maria da Silva (PR) e Frankslâneo Diogo da Silva (PP).

Os parlamentares fizeram a solicitação diretamente ao procurador-geral de Justiça, Eudo Rodrigues Leite, e a medida foi concedida.
A partir de agora, será disponibilizada escolta armada para garantir a segurança dos edis. O Gabinete de Segurança Institucional (GSI) do MPRN está tomando as providências para tal segurança.

O pedido de proteção dos parlamentares se dá um dia após a prisão do prefeito de Caicó Robson Batata (PSDB). Zaqueu, inclusive, foi responsável por entregar ao Ministério Público uma gravação entre ele e o vereador Raimundo Inácio Filho, o “Lobão”, em que Lobão oferece, em nome de Batata, até cinco cargos na administração municipal e uma propina de R$ 30 mil, para que Zaqueu votasse a favor do prefeito na Comissão Especial de Inquérito (CEI) que foi instalada para apurar a responsabilidade de todas as gestões públicas municipais desde a criação da Contribuição para Custeio dos Serviços de Iluminação Pública (Cosip). Escute o áudio ao final da matéria.

Operação Tubérculo

A operação do MPRN prendeu nesta terça-feira, 14, o prefeito de Caicó, um vereador da cidade e ainda um lobista suspeitos de corrupção ativa e passiva, associação criminosa, tráfico de influência, lavagem de dinheiro e dispensa indevida de licitação. A operação Tubérculo cumpriu três mandados de prisão, e outros seis mandados de busca e apreensão na cidade seridoense e em Natal. Além de presos preventivamente, o prefeito Robson de Araújo e o vereador Raimundo Inácio Filho foram afastados dos cargos. O lobista Edvaldo Pessoa de Farias teve prisão temporária decretada. 

A operação Tubérculo é desdobramento das operações Cidade Luz, deflagrada em julho de 2017 e que desvendou um esquema criminoso instalado na Secretaria Municipal de Serviços Urbanos de Natal através da constituição de cartel entre empresas pernambucanas que prestavam serviços de iluminação pública na cidade; e Blackout, realizada em agosto do mesmo ano e que apurou superfaturamento e pagamento de propina para manutenção do contrato de iluminação pública em Caicó.
JAIR SAMPAIO

Nenhum comentário:

Postar um comentário